Morre aos 57 anos o jornalista Carlos Tourinho

Carlos Tourinho.(Foto: UVV/Instagram)

Ele estava na Praia da Costa, em Vila Velha, com a família quando passou mal dentro da água e não resistiu.


Momento resgistrado depois que Tourinho foi retirado da água, na Praia da Costa.(Foto: VC no ES1)

O jornalista e professor Carlos Alberto Tourinho morreu no início da tarde deste domingo (31), na Praia da Costa, em Vila Velha, aos 57 anos. Ele estava na praia com a família quando passou mal dentro da água e não resistiu. Velório e enterro acontecem nesta segunda-feira (1º).

Na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o caso foi registrado como suposto afogamento.

Por nota, a Polícia Civil informou que “De acordo com o boletim de ocorrência, a vítima foi socorrida do mar por um salva-vidas, que realizou massagem cardíaca na mesma. Porém, a vítima não resistiu. A perícia da Polícia Civil foi acionada e o corpo foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML), para identificação e realização de exames para comprovar a causa da morte. “

Velório e enterro

O velório e o enterro de Carlos Tourinho vão acontecer no Cemitério Parque da Paz, em Ponta da Fruta, Vila Velha, nesta segunda-feira (1º).

O velório começa às 10h e o sepultamento está marcado para acontecer às 12h.

‘Grande legado’

O diretor de jornalismo da Rede Gazeta, Abdo Chequer, lamentou a morte do colega de profissão e amigo.

“Estou muito triste. Conheço o Tourinho há muitos anos, uns 45 para ser mais exato. O Tourinho largou uma carreira no Banco do Brasil pelo amor ao jornalismo. Deixou uma carreira segura para pegar todo o desafio do jornalismo e sempre honrou o que fez. Foi um jornalista maravilhoso que seguia como um professor formando novas gerações de jornalistas. Ele era uma pessoa honesta e competente, além de um grande amigo”, falou Chequer ao portal Gazeta Online.

O diretor-geral da Rede Gazeta, Carlos Fernando Lindenberg Neto, o Café, também se manifestou sobre a morte de Tourinho.

“Carlos Tourinho nos deixa, mas o seu grande legado, tanto para a TV Gazeta quanto para o jornalismo televisivo, fica registrado em suas obras e estudos acadêmicos. Como colega, era pessoa afável, correta e competente. Uma perda lamentável que entristece a todos nós que convivemos com ele em sua longa trajetória na Rede Gazeta”, falou também ao portal Gazeta Online.

O cinegrafista Paulo Cordeiro lembrou que os dois trabalharam juntos na primeira reportagem de Tourinho exibida no Fantástico.

“Estávamos cobrindo a Romaria dos Homens e quando os romeiros chegaram na entrada para o Convento da Penha, pois o trajeto terminava com a missa lá em cima, encontraram fechado. O padre tinha mandado fechar porque queria que os fiéis entrassem só depois que a santa passasse, e a imagem ainda não tinha chegado. Deu uma confusão, um policial deu um tiro pro alto e a confusão ficou maior ainda. Muita gente se machucou. O que era para ser uma romaria normal, virou matéria do Fantástico”, lembrou.

A Universidade Vila Velha (UVV), onde Tourinho era professor, lamentou a perda através de nota oficial. “Tourinho era muito querido por todos os alunos e funcionários. Desejamos nossos sentimentos e conforto para toda a família e amigos.”

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, também externou seus sentimentos através de nota.

“É com pesar que recebo a notícia da morte do jornalista Carlos Tourinho, ocorrida na tarde deste domingo (31), em Vila Velha. Ele nos deixa um legado de inovação no jornalismo, sobretudo na mídia televisiva. Tourinho ficará marcado como um dos grandes nomes da nossa imprensa. É uma perda imensa para seus familiares, amigos, colegas de jornalismo, alunos e também para nós, seus telespectadores, que acompanhamos sua trajetória. Neste momento de profunda consternação, envio minhas condolências, meu carinho e todo meu apoio.”

O senador capixaba Fabiano Contarato manifestou nas redes sociais solidariedade à família pela morte de Tourinho. “Lamento a morte do jornalista e professor Carlos Tourinho! Gostava muito da sua atuação profissional. Tenho respeito pela sua trajetória e capacidade de se comunicar. Que descanse em Deus! Que Deus ampare sua família e amigos neste momento de imensa dor.”

Trajetória


Tourinho foi repórter de Rede da TV Gazeta.(Foto: Arquivo/TV Gazeta)

Carlos Alberto Moreira Tourinho foi jornalista, professor, pesquisador, doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho, Portugal, com reconhecimento pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Também era Especialista em Economia para Jornalistas, Especialista em Estudos Avançados de Comunicação e Bacharel em Comunicação Social.

Começou a carreira como jornalista profissional em 1984. Na TV Gazeta desde o início da carreira, teve experiência nas funções de: produção, reportagem, reportagem especial, reportagem de Rede, edição, apresentação de telejornal e outros programas, chefia de reportagem, editor-chefe do Bom Dia Espírito Santo e Diretor de Jornalismo.

Ficou 28 anos na TV Gazeta, saindo da empresa em janeiro de 2013.

No Jornal A Gazeta foi titular durante três anos da coluna semanal “Carlos Tourinho” e articulista da seção Opinião. Na Rádio CBN Vitória foi comentarista do quadro Inovação e Comunicação.

Ministrou palestras sobre jornalismo, gerência de comunicação, interação no jornalismo e comunicação e sobre temas relacionados à Inovação. Escreveu para sites especializados, publicou cinco livros sobre comunicação e inovação.

Foi membro do Conselho de Inovação da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes).

Em 2012 atuou como professor convidado da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Atualmente, era professor de de Graduação e Pós-Graduação em Comunicação e Jornalismo na Universidade Vila Velha (UVV).

Be the first to comment on "Morre aos 57 anos o jornalista Carlos Tourinho"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*